Honorato de Carvalho foi vereador (chegou a ser presidente da Câmara), intendente e deputado estadual com fraca atuação.
Findo esses mandatos, voltou a disputar
uma vaga no Legislativo Municipal
e obteve apenas 1 (um) voto. No
entanto seu currículo político, foi
o maior carreador e incentivador
da Educação em Jataí.

Honorato de Carvalho no seu automóvel conversível
(sentado à direita ) num passeio pelo Olho d'Água.

 
   


   
   

HONORATO  DE  CARVALHO

 

Honorato (José) de Carvalho, filho de José Carvalho Bastos, foi casado três vezes (Perciliana Pereira, um filho; Maria Fenelon dois filhos; Maria Etelvina Carneiro oito filhos). Esse cidadão, quando intendente, conseguiu significativos avanços na educação local. Como deputado estadual não correspondeu. Nas atas relativas ao seu mandato, não consta interferência sua nos debates nem apresentação de qualquer instrumento de trabalho parlamentar. As atas somente registram seu comparecimento ou ausência às sessões.

As iniciativas pioneiras para se criar estabelecimentos de ensino em Jataí foi sem dúvida seu grande mérito como administrador da pequena Jataí. Foi dele as providências para trazer de Rio Verde o Instituto Municipal; atuou ativamente na instalação do Atheneu Jatahyense. Também, graças à sua atuação, a comunidade ganhou o Colégio Novaes.

Naturalmente cada escola dessa veio acompanhada de seu diretor. A primeira pertencia ao pernambucano Prof. Pedro Salazar Moscoso da Veiga Pessoa (primo de Epitácio Pessoa). Salazar era formado em Direito e Ciências Sociais, figura de expressão em dramaturgia, escritor, jornalista e poeta. Valia-se do jornal O JATAHY para publicar suas obras. Pedro Salazar foi um dos mais preparados professores do passado que lecionou em Jataí.

Do Atheneu Jatahyense, citamos o Professor Antônio D'Alcântara Lambert o qual, depois de encerrar suas atividades em Jataí, mudou-se para Uberlândia, onde elaborou e publicou uma obra para o ensino de matemática, matéria em que era mestre.

Por fim, há que lembrar a transferência do Professor Eleutério de Souza Novaes, juntamente com o seu "Colégio Novaes", de Itaberaí para Jataí, em 1918. A vinda de Novaes trouxe, consequentemente outro grande professor: Nestório de Paula Ribeiro, um dos mais celebrados em Jataí.

 

O Instituto Municipal, de Pedro Salazar, foi a primeira escola em Goiás a adotar uniforme para os alunos. O estabelecimento funcionava no cruzamento das avenidas Goiás com Brasil. Ao fundo, Honorato de Carvalho de chapéu e bengala (terno mais claro).

Honorato de Carvalho, filho do pioneiro José Carvalho Bastos, não teve uma folha tão brilhante em política como em educação. Sua passagem pela Câmara de Vereadores, Prefeitura Municipal e pela Assembléia Legislativa de Goiás, não deixou marcas significativas,  dignas de serem mostradas ou comentadas.

O fazendeiro e latifundiário Honorato de Carvalho, este sim, tinha espírito desenvolvimentista na pecuária, ao dedicar-se a apurar parte do seu rebanho bovino cruzando-o com gado zebu, trazendo com isso sensível resultado na sua economia.

Honorato tinha uma boa casa em Uberlândia. Em Jataí, era dono da esquina onde está o edifício Maria Bárbara. Segundo seu inventário, 63% do seu patrimônio era constituído de imóveis.

Honorato de Carvalho faleceu na fazenda Paraíso, que pertenceu ao seu pai, em dezembro de 1919. Durante seu inventário, houve descontentamento por parte de alguns herdeiros por não aparecer, entre os bens, muita coisa de valor, supostamente (acreditavam) em poder da viúva.

 

Recurso conseguido por Honorato de Carvalho, quando na Presidência da Câmara de Vereadores, para construção de ponte sobre o Rio Verde, na antiga Serra do Cafezal. Nota publicada pelo Correio Official de Goyaz, de 19 de julho de 1919.
 

O Colégio Novaes se instalou inicialmente, em 1922, no chamado Casarão (atual Museu Histórico). Posteriormente seu diretor, professor Eleutério de Souza Novaes (sentado ao centro, de terno escuro), o levou para sede própria, ao lado do Instituto Municipal.